Desvalorização dos professores pode levar à síndrome de burnout

Fonte: Revista Proteção

Nas duas últimas décadas, os processos de saúde e doença da classe trabalhadora brasileira foram objeto de várias investigações no campo das ciências humanas, sociais e da saúde. Essa preocupação também vem ocorrendo em escala internacional devido aos danos provocados à saúde pelas condições de trabalho.
Burnout é uma condição de sofrimento psíquico relacionado ao trabalho e está associado com alterações fisiológicas decorrentes do estresse. Nessa síndrome, a pessoa acometida não vê mais sentido em sua relação com o trabalho nem com as pessoas que estejam envolvidas com ele. É a síndrome da desistência, nada mais importa e qualquer esforço parece inútil.

Os sintomas do burnout geralmente são percebidos devido à ausência de certos fatores motivacionais tais como: alegria, entusiasmo, energia, satisfação, interesse, vontade, projetos de vida, ideias, concentração, autoconfiança, autoestima, humor etc. As consequências desse sofrimento ultrapassa a vida laboral envolvendo tanto o trabalhador como sua família e a sociedade como um todo, acarreando o agravamento da violência urbana em cada um de seus aspectos particulares. A síndrome de burnout se relaciona negativamente com a saúde, o desempenho e a satisfação no trabalho, com a qualidade de vida e com o bem-estar subjetivo.

Quando o trabalho do professor começa a adoecê-lo as queixas apresentadas incluem tanto condições físicas como psicossociais. Isso acontece porque o ato de educar envolve afeto, ultrapassa a simples transmissão de informações e treinamento específico de habilidades, sendo um trabalho permeado de relações interpessoais, envolvendo discussão e debate do professor com seus alunos. Consequentemente, essa categoria de profissionais é uma das mais suscetíveis ao burnout, pois tem contato direto e excessivo com outros seres humanos, principalmente quando estes apresentam problemas.

Em professores, burnout é conhecido como uma exaustão física e emocional que começa com um sentimento de desconforto e pouco a pouco aumenta à medida que a vontade de lecionar gradualmente diminui.

Autores: Sílvia M. M. Gonçalves, Carolina M. B. Souza, Leila P. D. Diogo, Rafael L. Francisco e Tássia Ferreira.

Deixe um COMENTÁRIO

Entre com seu termo de pesquisa